Cerca de 440 mil alunos e trabalhadores retornam às aulas presenciais

Após um ano e quatro meses fora das salas de aulas por conta da pandemia do coronavírus, cerca de 400 mil estudantes da rede estadual de ensino retornam às suas respectivas escolas na modalidade híbrida, ou seja, presencial e online, em Mato Grosso. Pelo cronograma da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), ontem (2) e hoje (3), lives marcam a inauguração da volta às aulas no formato híbrido, envolvendo os mais de 40 mil servidores.

No Estado, as aulas presenciais estavam suspensas desde 23 de março do ano passado e sendo realizadas somente de forma remota. Com a redução dos casos da Covid-19 e o início da vacinação dos trabalhadores do sistema, o retorno ocorre, conforme a Seduc, com apoio da grande maioria dos profissionais, dos pais e dos alunos.

Ontem (2), o Estado e a Prefeitura de Várzea Grande, que também iniciou o segundo semestre dividindo as turmas da rede municipal entre o presencial e à distância, realizaram uma live de inauguração das atividades híbridas. Durante aula inaugural, foram realizadas as palestras “Recuperação da Aprendizagem Pós-Pandemia”, com Cláudia Costin; e “O acolhimento socioemocional no retorno das atividades presenciais”, com Camila Cury. A live também está prevista para hoje.

Já a partir de amanhã (4), começa o acolhimento aos estudantes, em revezamento elaborado por cada unidade escolar. Na primeira semana, segundo a Seduc, os alunos serão recebidos em dias alternados. Eles foram divididos em grupos “A” e “B”. A divisão foi feita por cada unidade escolar, responsável pela comunicação aos pais. Assim, nesta quarta-feira, vão para as escolas os estudantes do grupo “A” e, no dia 05, será a vez dos estudantes do grupo “B”.

Para o governo, esses dois dias serão fundamentais para que os alunos conheçam como as escolas vão funcionar. Já a partir do dia 09 de agosto começa o revezamento semanal. “Desta forma, do dia 10 ao dia 14 de agosto estarão de forma presencial os integrantes do grupo ‘A’. Na semana seguinte, dos dias 17 a 21, será a vez dos estudantes do grupo ‘B’. E, assim consecutivamente”, informou por meio da assessoria.

Na semana que o estudante não estiver em atividade presencial, terá estudo dirigido. É importante ressaltar que pais e responsáveis poderão visitar as escolas e tirar dúvidas. Para isso, é necessário fazer agendamento com a direção da unidade escolar para evitar aglomerações.

Caso o responsável pelo estudante decida mantê-lo em atividade 100% remota, deverá assinar um termo de responsabilidade, se comprometendo a retirar e devolver as atividades no período estipulado pela escola; acompanhar a rotina de estudos da criança ou adolescente.

A confirmação da reabertura dos portões aos alunos foi feita no último dia 26 de julho passado pelo governador Mauro Mendes e o titular da Seduc, secretário Alan Porto. “Durante todo este período, os professores e demais profissionais da educação se desdobraram e trabalharam muito para desenvolver as atividades remotas, mas os prejuízos para a aprendizagem dos nossos estudantes são imensos. Os índices de evasão escolar e de abandono cresceram de forma assustadora. Por isso, o retorno, com a garantia de segurança, é essencial”, disse Porto na ocasião.

De acordo com o órgão estadual de educação, foram ou estão sendo investidos mais de R$ 170 milhões em biossegurança e infraestrutura física, na área pedagógica e tecnológica, sendo que as unidades possuem plano de contingência contra o coronavírus e receberam as orientações sobre a nova forma de funcionamento e todas as medidas que precisam ser adotadas em casos suspeitos ou confirmados de Covid-19.

ASSEMBLEIA GERAL- Ontem à tarde, os trabalhadores da rede estadual realizaram assembleia geral para avaliar o retorno das atividades por meio do sistema híbrido. Antes, no fim de semana, esteve reunido o Conselho de Representantes do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), que apresentou como resoluções que o retorno às atividades escolares deva garantir a segurança por meio de imunização completa dos trabalhadores da educação, aliada às condições biossegurança e classificação da Covid-19, em caso de atividades presenciais nas unidades escolares.

Segundo o Sintep, foram apresentados posicionamentos por representantes municipais de que a pressão governamental, inclusive, reafirmadas pelo Ministério Público Estadual, para o retorno presencial, apesar do baixo percentual de imunizados no Estado (15,55% com as duas doses, dados do consórcio de imprensa em 31/07) e do alto risco de contaminação da Covid-19, em vários municípios, têm colocado parte da categoria em conflito. O Conselho deliberou ainda pela construção de comissões de educação nos municípios para monitorar o cenário da doença.

Confira a matéria completa em: https://www.diariodecuiaba.com.br/cidades/cerca-de-440-mil-alunos-e-trabalhadores-retornam-as-aulas-presenciais/587132

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *